O amor da minha vida

O amor da minha vida

sábado, 10 de dezembro de 2016

PROF. OSMAR SOARES FERNANDES Repertório Biográfico





Profissão: Professor, psicopedagogo, palestrante e escritor;

Escolaridade: Superior Completo - História - Lic. Plena - FACULDADES INTEGRADAS de Cuiabá (UNIC/MT), 1993; Pós-Graduação / Especialização - Psicopedagogia Clinica e Institucional – FATEC/PR - 2015.

Nascimento: 01 de fevereiro de 1961, Nova Londrina, Estado do Paraná (Sangra Seca); signo – aquário;

Filiação: João Fernandes de Almeida (IN MEMORIAM) e Lêda Soares de Almeida;

Cônjuge: Janaína Bárbara Ferreira Fernandes;

Filhos: Jackeline, Dayanne, Thábata, Moisés (do primeiro casamento), Tharcísio, Tharsila e Rafael (do atual casamento);

Irmãos: Wilson, Marli, Marlene, Marley e Marcesley;

Mandato Eletivo: Assumiu o cargo de agente político (Vereador – PSB) na cidade de Nova Londrina/PR, na data de 10 de março de 2014 até 30 de junho de 2014, e reassumiu definitivamente o cargo na data de 15 de maio de 2015 até 31 de dezembro de 2016.

Suplência e Efetivação no cargo de Vereador no Município de Nova Londrina/PR: Mandato de 2013 a 2016 – Eleito 1º Suplente de Vereador pelo PSB; assumiu o cargo de agente político (Vereador) na Câmara Municipal, na data de 10 de março de 2014 até 30 de junho de 2014, e reassumiu, definitivamente, o cargo na data de 15 de maio de 2015 até 31 de dezembro de 2016, por motivo de condenação de suspensão de direitos políticos, em trânsito em julgado, por 5 anos, no TJ/PR e, por 8 anos, no TJ/SP – referente ao ex-vereador Waldir José Troian (PMDB).

 Filiações Partidárias:
 Partido Socialista Brasileiro - PSB;

Atividades Partidárias: Presidente da Comissão Provisória do PSB de Nova Londrina por 4 gestões entre o período de: 1998 a 2016.

Cargos Públicos: 01/07/1981 a 01/07/1983 – Funcionário da Prefeitura Municipal de Nova Londrina/PR - Chefe do Departamento de Habilitação da 45ª CIRETRAN (Circunscrição Estadual de Trânsito) do Estado do Paraná; Assessor na Prefeitura Municipal de Várzea Grande-MT - de 01/07/1989 até 31/01/1993 (3 anos e 7 meses); 02/01/1997 a 02/12/1998 - Assessor (Chefe de Gabinete) – Prefeitura Municipal de Nova Londrina, Estado do Paraná, conforme decreto nº. 04/97; 02/12/1998 a 15/07/1999 – Diretor do Departamento de Obras, Viação e Serviços Urbanos da Prefeitura Municipal de Nova Londrina, Estado do Paraná, conforme decreto nº. 086/98; 2º Secretário na Câmara Municipal de Nova Londrina – 2015.

Outras informações complementares:

ESCRITOR COM 06 LIVROS PUBLICADOS

1993 - Luar do Sol, lançado no auditório da UNIC/MT;
1997 - Sonhos e Destinos, lançado na Casa da Amizade na cidade de Nova Londrina/PR;
1999 - A Loira da Matão, lançado na cidade de Balneário Camboriú/SC;
2001 - Espelho de Cristal, lançado na Casa da Cultura de Paranavaí/PR;
2003 - Crisálida – a motivação da vida, lançado na cidade de Curitiba/PR;
2010 – Nova Londrina, Rainha do Noroeste, 60 anos de história (310 páginas), ISBN n.º 978-85-911038-0-5, Registro de Direito Autoral na Fundação da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Lançado em 31 de julho de 2010 – Anfiteatro Municipal Prefeito Avelino Antônio Colla – Nova Londrina/PR.

PARTICIPAÇÃO EM ANTOLOGIAS DE POESIAS, CONTOS E CRÔNICAS: EDITORA SCORTECCI/SP

1997 - Volume V – páginas 103 a 107;
1999 - Volume III, páginas 103 a 109 – (BIENAL) - Salão Internacional do Livro de São Paulo.
Palestrante com inúmeras palestras proferidas em vários Estados brasileiros sobre Motivação;

Agraciado com o Título Honorífico pela Câmara Municipal do Município de Várzea Grande/MT – CIDADÃO VARZEA-GRANDENSE, em sessão solene na data de 15 de maio de 1991; agraciado com a MEDALHA DE MÉRITO FERNANDO AMARO, pela Câmara Municipal de Curitiba/PR – sessão solene 19/11/2004.

Atividades Parlamentares na Câmara de Vereadores de Nova Londrina/PR: 

VACINAÇÃO DOMICILIAR – O projeto de lei 052/2015 do Vereador Prof. Osmar Fernandes, virou a lei 2.764/2015;

FARMÁCIA ITINERANTE RURAL – O projeto de lei 057/2015 do Vereador Prof. Osmar Fernandes, virou a lei 2.766/2015;

CARTÃO DE ESTACIONAMENTO PARA VAGA ESPECIAL – O REQUERIMENTO nº 023/2014 (17 de abril de 2014) do Vereador Prof. Osmar Fernandes, propiciou ao município se integrar na LEI FEDERAL;




Moção de Reconhecimento (Autoria - Ver. Osmar Fernandes) – Aprovada por unanimidade de votos na Câmara Municipal em Sessão Ordinária do dia 28 de março de 2016, moção de reconhecimento ao Sr. Valdomiro do Detran;



Moção de Aplausos e Congratulações ao Colégio Pequeno Príncipe de Nova Londrina (de autoria do Ver.  Prof. Osmar Fernandes - PSB), pelo brilhante Projeto "PRÍNCIPES DO NOROESTE", aprovado por unanimidade de votos na Sessão Ordinária da Câmara Municipal do dia 28 de março de 2016;


Congregação Cristã no Brasil (Moção de Aplausos e Congratulações pela inauguração do novo Templo de Orações em 19/03/16) – aprovada na Câmara Municipal de Nova Londrina, Estado do Paraná, Moção de Aplausos e Congratulações, de autoria do Ver. Prof. Osmar Fernandes, por unanimidade de votos na sessão do dia 28 de março de 2016;



Além de inúmeros Requerimentos em favor da população, fiscalização implacável e pedido de providências quando foram necessários.

Subsídio:








quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Prefeito eleito de Nova Londrina, nas eleições 2016, tem contas de campanha reprovadas pela Justiça Eleitoral











A Constituição é a regra mater da lei

Constituição Federal de 1988 

     Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. 

Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante: 

§ 10 - O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder econômico, corrupção ou fraude.

96ª Zona Eleitoral - Atos do Juiz  Eleitoral

Andamento do Processo n. 469-40.2016.6.16.0096 - Prestação de Contas - 13/11/2016 do TRE-PR

NATUREZA: PRESTAÇÃO DE CONTAS
PARTE (S): CANDIDATO/PREFEITO: OTAVIO HENRIQUE GRENDENE BONO
ADVOGADO (S): FÁBIO GILENO TKATECENKO DOS SANTOS - OAB/PR 48.092
MUNICÍPIO: NOVA LONDRINA
publicação de despacho:
1. A adoção do sistema de prestação de contas simplificado não tem por fulcro enfraquecer o livre convencimento motivado e a busca da verdade real na análise do procedimento. Ademais, é a prestação de contas o instrumento oficial que permite a realização de contrastes e avaliações, bem como a fiscalização e o controle financeiro das campanhas eleitorais, protegendo, com isso, valores caros a toda sociedade; 2. Nessa linha, a Resolução-TSE nº 23.463/2015 possui diversos dispositivos que permitem a intimação do candidato para maiores esclarecimentos, caso as informações não sejam suficientes para uma análise técnica eficaz (art. 48, parágrafo único; art. 52, §§ 2º e 3º, art. 56, art. 64, etc.). Note-se que há, inclusive, a possibilidade de conversão do feito para o rito ordinário (art. 62);
3. Ainda, os documentos trazidos aos autos não permitem aferir a regularidade das operações financeiras da campanha, a qual, como declarado, movimentou consideráveis valores, dos quais não há esclarecimentos quanto à origem e destinação. Note-se que há movimentação na conta para gastos que não desconhece, doação de pessoas físicas não indicadas e despesas não discriminadas;
4. Por todo exposto, intime-se o candidato para – no prazo de 72 horas – apresente documentos comprobatórios da origem e disponibilidade dos valores declarados e das despesas efetuadas, os quais devem demonstrar a procedência lícita dos recursos e a sua não caracterização como fonte vedada e estarem devidamente discriminados.
Nova Londrina – PR, 10 de novembro de 2016.

Juiz Eleitoral da 96ª Zona Eleitoral

Fonte: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/404924574/andamento-do-processo-n-469-4020166160096-prestacao-de-contas-13-11-2016-do-tre-pr?ref=topic_feed


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A bicharada tá pegando fogo: Prof Osmar Fernandes em 01/12/2016 Código do texto: T5840706




A bicharada tá pegando fogo

Aie-aie, aonde você vai?
Você é lêmure, nativo de Madagascar.
Não se mude... não vale apena ir atrás da Mara.
Ela é um mamífero sul-americano,
Conhecida também pelo apelido de “lebre-patagônica”.

Segundo se comenta, ela tá apaixonada
Pelo Rato-toupeira-pelado, bicho feio, horrível.
O seu Gazela-girafa já tá com ciúmes...
Tem bicho de olho na sua gazela, a rainha.
Instinto de bicho agora virou amor?!

Dona Dugongo, com todo seu peso
Tá apaixonadíssima pelo seu Aie-aie...
Essa é a fofoca que corre nos mares!
Irado tá o seu Lampreia,
Perdeu sua Toupeira-nariz-de-estrela.

Seu Colugo é o maestro conquistador,
Está de olho na dona Jerboa.
A bicharada tá correndo risco de todo lado.
Onde já se viu tanta confusão!
A bicharada tá pegando fogo.
Prof Osmar Fernandes
 em 01/12/2016
Código do texto: T5840706 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Fula-fula: Prof. Osmar Fernandes, em 30/11/2016, Código do texto: T5839805



Fula-fula


Era coxo, mas, estava com pressa.
Com toda dificuldade pedia ajuda
Mas ninguém o ajudava.
A bicharada corria em busca do troféu.
Quem chegasse primeiro e batesse o sino venceria.

Seu elefante corria, dona égua era um raio;
Mas, dona Zebra e dona Girafa de mãos dadas
Puxavam uma a outra, e a corrida estava empatada.
Seu porco e seu tatu não perdiam tempo...
O troféu era uma incógnita, ninguém sabia o que era.

Mas, a surpresa fazia a bicharada correr em disparada.
E nesta fula-fula toda, um passava por cima do outro.
Coitado do mais fraco! Era esmagado e gritava, socorro!
Mas ninguém o ajudava...
Só dona Zebra e dona Girafa corriam de mãos dadas.

Seu elefante com sua tromba tentou pegar o troféu
Mas dona Girafa chegou primeiro e ao pegar, gritou:
- Deus me livre dessa porcaria!... Quem quiser pode pegar.
A bicharada toda parou e gritou:
- Que merda é essa?!!


Dona Girafa e dona Zebra partiram para mata virgem.
Deixou o troféu para quem o quisesse.
Mas a bicharada ao ver o prêmio fugiu em ziguezague.
E no meio da pista foi formiga pra todo lado.

E o manco disse: Ainda bem que não curto formigueiro.


Prof. Osmar Fernandes, em 30/11/2016, Código do texto: T5839805



O FUTEBOL BRASILEIRO ESTÁ DE LUTO!


O time da Chapecoense do Estado de Santa Catarina (BRASIL), disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-americana, a delegação decolou do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, na segunda-feira, às 15h15min, em um voo da Companhia Boliviana de Aviación (BoA). Em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, em direção a Medellín, a delegação trocou de aeronave, e o acidente aconteceu na madrugada de terça-feira, quando o avião se aproximava do aeroporto José María Córdova, na cidade de Medellín, na Colômbia. O avião British Aerospace BA e 146 com a delegação do clube, da companhia boliviana LAMIA, tinha 77 pessoas a bordo, entre membros da equipe, jornalistas e tripulação. 
          Quatro pessoas escaparam da tragédia. Elas embarcariam no avião, mas ficaram no Brasil. Um alívio cercado de muita comoção. O filho do técnico Caio, Matheus, o locutor Ivan Agnoletto, de uma rádio de Chapecó, trocou de lugar com o colega, que sonhava narrar uma final de campeonato fora do Brasil, com a Chapecoense. O presidente do Conselho Deliberativo da Chapecoense e o prefeito de Chapecó que desistiram de viajar no avião por causa de uma reunião em São Paulo na manhã de terça-feira (29).
O time da Chapecoense do Estado de Santa Catarina (BRASIL), disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-americana contra o time do Atlético Nacional da Colômbia, mas, o desastre aconteceu, segundo a imprensa local, a aeronave perdeu contato com a torre de controle às 22h15 (1H15MIN; hora de Brasília), entre as cidades de La Ceja e Abejorral, caiu ao se aproximar do Aeroporto José Maria Córdova, em Rionegro, perto de Medellín, por falta de combustível, e, deixou o triste saldo de 71 mortos e 6 sobreviventes: 3 jogadores do time, 1 jornalista brasileiro e dois tripulantes. Os trabalhos de resgate foram encerrados às 16h, no horário local (19h em Brasília).
 Assim que a notícia invadiu o país e o mundo, a comoção tomou conta das pessoas, o choro invadiu a cidade de Chapecó, os catarinenses e todos os brasileiros. Os familiares enlutados não acreditavam com o que havia acontecido. Associação Chapecoense de Futebol, cujo acrônimo é ACF, é um clube de futebol brasileiro, sediado na cidade de Chapecó, Santa Catarina. Foi fundado em 10 de maio de 1973, com o objetivo de restaurar o futebol na cidade de Chapecó. TÍTULOS: Campeonato Catarinense 1977, 1996, 2007, 2011 e 2016; Copa Santa Catarina 2006; Taça Santa Catarina 1979 e 2014; Taça Plinio Arlindo de Nês 1995.
 A arena Condá, Estádio Regional Índio Condá de Chapecó/SC, foi palco de grandes jogos do time da Chape, sempre lotado pela sua torcida fanática e ordeira (SOMOS MAIS QUE ONZE, SOMOS TODOS CHAPE!). Logo após a tragédia foi o palco de reencontro da torcida, que antes alegre virou o palco do choro, da tristeza e de muitas orações pelos amigos e jogadores perdidos no trágico acidente aéreo.
 O Adversário da Chapecoense, na final da Copa Sul-Americana, o Atlético Nacional soltou uma nota na tarde desta terça-feira, na qual solicita à Conmebol que o título da competição seja entregue à equipe catarinense. Com três parágrafos, o clube colombiano mostrou solidariedade a parentes, amigos e torcedores das vítimas do voo que deixou 71 mortos, e pediu que a taça vá para Chapecó. A CBF sugeriu para a Conmebol que o título da Copa Sul-Americana seja dividido entre Atlético Nacional de Medellín e Chapecoense. Desta forma, o clube catarinense teria uma vaga na Copa Libertadores de 2017.
 Os torcedores iniciaram a vigília na sede do clube ainda na manhã de terça, onde fizeram orações e prestaram homenagens ao time. A direção da Chapecoense abriu vestiários e salas do clube para oferecer conforto aos familiares dos atletas e ex-dirigentes mortos no acidente que foram ao local buscar notícias. Na noite de terça, moradores fizeram uma corrente e uma passeata pelas vítimas do acidente aéreo. Eles saíram pelas ruas da cidade batendo palmas e gritando os nomes dos jogadores. Por volta das 18h30, os moradores participaram de uma corrente de orações na catedral da cidade. 
          A saudade é o que restará e a história se incumbirá de refazer um novo sonho. O time vencedor ficará para sempre na memória do seu torcedor. O futebol brasileiro está triste, permanecerá assim, para sempre de luto.

Prof. Osmar Fernandes
Em 30/11/2016, Código do texto: T5839238 



APENAS 6 SOBREVIVERAM:
1 - Alan Ruschel, lateral do time;
2 - Jackson Follman, goleiro reserva;
3 - Hélio Neto, zagueiro;
4 - A comissária de bordo Ximena Suárez;
5 - O jornalista brasileiro Rafael Henzel;

6 - O técnico da aeronave Erwin Tumiri.

Lista dos jogadores que viajaram para a Colômbia
Goleiros: Danilo e Follmann;
Laterais: Gimenez, Dener, Alan Ruschel e Caramelo;
Zagueiros: Marcelo, Filipe Machado, Thiego e Neto;
Volantes: Josimar, Gil, Sérgio Manoel e Matheus Biteco;
Meias: Cleber Santana e Arthur Maia;
Atacantes: Kempes, Ananias, Lucas Gomes, Tiaguinho, Bruno Rangel e Canela.

Técnico: Luiz Carlos Saroli, ou Caio Júnior (Cascavel, 8 de março de 1965 - Medellin, 29 de novembro de 2016).

terça-feira, 29 de novembro de 2016

CAI AVIÃO DA DELEGAÇÃO DA CHAPECOENSE NA COLÔMBIA, com 71 mortos

Futebol brasileiro está de luto!

O time da Chapecoense do Estado de Santa Catarina (BRASIL), disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-americana, a delegação decolou do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, na segunda-feira, às 15h15min, em um voo da Companhia Boliviana de Aviación (BoA). Em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, em direção a Medellín, a delegação trocou de aeronave, e o acidente aconteceu na madrugada de terça-feira, quando o avião se aproximava do aeroporto José María Córdova, na cidade de Medellín, na Colômbia. O avião British Aerospace BA e 146 com a delegação do clube, da companhia boliviana LAMIA, tinha 77 pessoas a bordo, entre membros da equipe, jornalistas e tripulação. 

      Quatro pessoas escaparam da tragédia. Elas embarcariam no avião, mas ficaram no Brasil. Um alívio cercado de muita comoção. O filho do técnico Caio, Matheus, o locutor Ivan Agnoletto, de uma rádio de Chapecó, trocou de lugar com o colega, que sonhava narrar uma final de campeonato fora do Brasil, com a Chapecoense. O presidente do Conselho Deliberativo da Chapecoense e o prefeito de Chapecó que desistiram de viajar no avião por causa de uma reunião em São Paulo na manhã de terça-feira (29).
O time da Chapecoense do Estado de Santa Catarina (BRASIL), disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-americana contra o time do Atlético Nacional da Colômbia, mas, o desastre aconteceu, segundo a imprensa local, a aeronave perdeu contato com a torre de controle às 22h15 (1H15MIN; hora de Brasília), entre as cidades de La Ceja e Abejorral, caiu ao se aproximar do Aeroporto José Maria Córdova, em Rionegro, perto de Medellín, por falta de combustível, e, deixou o triste saldo de 71 mortos e 6 sobreviventes: 3 jogadores do time, 1 jornalista brasileiro e dois tripulantes. Os trabalhos de resgate foram encerrados às 16h, no horário local (19h em Brasília).
 Assim que a notícia invadiu o país e o mundo, a comoção tomou conta das pessoas, o choro invadiu a cidade de Chapecó, os catarinenses e todos os brasileiros. Os familiares enlutados não acreditavam com o que havia acontecido. Associação Chapecoense de Futebol, cujo acrônimo é ACF, é um clube de futebol brasileiro, sediado na cidade de Chapecó, Santa Catarina. Foi fundado em 10 de maio de 1973, com o objetivo de restaurar o futebol na cidade de Chapecó. TÍTULOS: Campeonato Catarinense 1977, 1996, 2007, 2011 e 2016; Copa Santa Catarina 2006; Taça Santa Catarina 1979 e 2014; Taça Plinio Arlindo de Nês 1995.
 A arena Condá, Estádio Regional Índio Condá de Chapecó/SC, foi palco de grandes jogos do time da Chape, sempre lotado pela sua torcida fanática e ordeira (SOMOS MAIS QUE ONZE, SOMOS TODOS CHAPE!). Logo após a tragédia foi o palco de reencontro da torcida, que antes alegre virou o palco do choro, da tristeza e de muitas orações pelos amigos e jogadores perdidos no trágico acidente aéreo.
 O Adversário da Chapecoense, na final da Copa Sul-Americana, o Atlético Nacional soltou uma nota na tarde desta terça-feira, na qual solicita à Conmebol que o título da competição seja entregue à equipe catarinense. Com três parágrafos, o clube colombiano mostrou solidariedade a parentes, amigos e torcedores das vítimas do voo que deixou 71 mortos, e pediu que a taça vá para Chapecó. A CBF sugeriu para a Conmebol que o título da Copa Sul-Americana seja dividido entre Atlético Nacional de Medellín e Chapecoense. Desta forma, o clube catarinense teria uma vaga na Copa Libertadores de 2017.
 Os torcedores iniciaram a vigília na sede do clube ainda na manhã de terça, onde fizeram orações e prestaram homenagens ao time. A direção da Chapecoense abriu vestiários e salas do clube para oferecer conforto aos familiares dos atletas e ex-dirigentes mortos no acidente que foram ao local buscar notícias. Na noite de terça, moradores fizeram uma corrente e uma passeata pelas vítimas do acidente aéreo. Eles saíram pelas ruas da cidade batendo palmas e gritando os nomes dos jogadores. Por volta das 18h30, os moradores participaram de uma corrente de orações na catedral da cidade. A saudade é o que restará e a história se incumbirá de refazer um novo sonho. O time vencedor ficará para sempre na memória do seu torcedor. O futebol brasileiro está triste, permanecerá assim, para sempre de luto.

Prof. Osmar Fernandes
Em 30/11/2016, Código do texto: T5839238 

Foram 71 mortos e 6 sobreviventes

          TRAGÉDIA PARA O FUTEBOL BRASILEIRO "Cai o Avião da Delegação da Chapecoense, na Colômbia”, com 77 pessoas a bordo: notícia 29/11/2016 03H42MIN. O Futebol brasileiro está de luto!... 

              Força Chape! 

          NOSSAS CONDOLÊNCIAS AOS FAMILIARES DOS FALECIDOS... SÓ DEUS NA CAUSA! DEUS OS RECEBAM DE BRAÇOS ABERTOS NO CÉU.


APENAS 6 SOBREVIVERAM:

1 - Alan Ruschel, lateral do time;
2  - Jackson Follman, goleiro reserva;
3 - Hélio Neto, zagueiro;
4 - A comissária de bordo Ximena Suárez;
5 - O jornalista brasileiro Rafael Henzel;
6  - O técnico da aeronave Erwin Tumiri.

Lista dos jogadores que viajaram para a Colômbia

Goleiros: Danilo e Follmann;

Laterais: Gimenez, Dener, Alan Ruschel e Caramelo;

Zagueiros: Marcelo, Filipe Machado, Thiego e Neto; 
Volantes: Josimar, Gil, Sérgio Manoel e Matheus Biteco;
Meias: Cleber Santana e Arthur Maia;
Atacantes: Kempes, Ananias, Lucas Gomes, Tiaguinho, Bruno Rangel e Canela.


Técnico: Luiz Carlos Saroli, ou Caio Júnior (Cascavel, 8 de março de 1965 - Medellin, 29 de novembro de 2016).

SOBREVIVENTES do time:  NETO, FOLLMANN E ALAN RUSCHEL

          O avião que transportava a delegação da Chapecoense para a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional caiu na madrugada desta terça-feira na região de Antióquia, na Colômbia. Não há informações sobre mortos, mas há feridos - Avião decolou de Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) com 81 pessoas a bordo. O aeroporto acompanha a situação no seu Twitter e diz que as condições climáticas dificultam o acesso ao local da queda: "o acessosó pode ser feito por terra".

                           foto Twitter

          "Há alguns jogadores que sobreviveram. Machucados, mas sobreviveram. Trabalho agora é de superar as dificuldades do caminho para trazê-los aqui", disse Kaleth Gutierrez, Capitão do Corpo de Bombeiros. "São muitos sobreviventes", destacou, em entrevista à Rádio 730.


            Associação Chapecoense de Futebol, cujo acrônimo é ACF, é um clube de futebol brasileiro, sediado na cidade de Chapecó, Santa Catarina. Foi fundado em 10 de maio de 1973, com o objetivo de restaurar o futebol na cidade de Chapecó.


A Lista contém 81 nomes de pessoas que viajariam... 04 não viajaram.

Total a bordo - 77 pessoas








Dessa lista 4 não viajaram... Portanto 77 a bordo.

Imagens da tragédia:








5 Sobreviventes: 

Alan Ruschel. Ximena Suárez Otterburg, Rafael Henzel, Jackson Follmann e Neto

Equipes de paramédicos trazem sobreviventes do avião que transportava a Chapecoense na Colômbia (Foto: Luis Eduardo Noriega A./EFE)
Equipes de paramédicos chegam com sobreviventes do avião da Lamia que transportava a equipe da Chapecoense ao hospital, após acidente na Colômbia (Foto: Luis Eduardo Noriega A./EFE)

Enfermeiros e paramédicos transportam sobreviventes do acidente com o avião da Lamia que transportava a equipe da Chapecoense na Colômbia (Foto: Luis Eduardo Noriega A./EFE)

sábado, 26 de novembro de 2016

Poesias do poeta Prof. Osmar Fernandes































Respeite o direito autoral...

LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.


Art. 1º Esta Lei regula os direitos autorais, entendendo-se sob esta denominação os direitos de autor e os que lhes são conexos.
Art. 2º Os estrangeiros domiciliados no exterior gozarão da proteção assegurada nos acordos, convenções e tratados em vigor no Brasil.
Parágrafo único. Aplica-se o disposto nesta Lei aos nacionais ou pessoas domiciliadas em país que assegure aos brasileiros ou pessoas domiciliadas no Brasil a reciprocidade na proteção aos direitos autorais ou equivalentes.
Art. 3º Os direitos autorais reputam-se, para os efeitos legais, bens móveis.
Art. 4º Interpretam-se restritivamente os negócios jurídicos sobre os direitos autorais.
Art. 5º Para os efeitos desta Lei, considera-se:
I - publicação - o oferecimento de obra literária, artística ou científica ao conhecimento do público, com o consentimento do autor, ou de qualquer outro titular de direito de autor, por qualquer forma ou processo;
II - transmissão ou emissão - a difusão de sons ou de sons e imagens, por meio de ondas radioelétricas; sinais de satélite; fio, cabo ou outro condutor; meios óticos ou qualquer outro processo eletromagnético;
III - retransmissão - a emissão simultânea da transmissão de uma empresa por outra;
IV - distribuição - a colocação à disposição do público do original ou cópia de obras literárias, artísticas ou científicas, interpretações ou execuções fixadas e fonogramas, mediante a venda, locação ou qualquer outra forma de transferência de propriedade ou posse;
V - comunicação ao público - ato mediante o qual a obra é colocada ao alcance do público, por qualquer meio ou procedimento e que não consista na distribuição de exemplares;
VI - reprodução - a cópia de um ou vários exemplares de uma obra literária, artística ou científica ou de um fonograma, de qualquer forma tangível, incluindo qualquer armazenamento permanente ou temporário por meios eletrônicos ou qualquer outro meio de fixação que venha a ser desenvolvido;
VII - contrafação - a reprodução não autorizada;
VIII - obra:
a) em co-autoria - quando é criada em comum, por dois ou mais autores;
b) anônima - quando não se indica o nome do autor, por sua vontade ou por ser desconhecido;
c) pseudônima - quando o autor se oculta sob nome suposto;
d) inédita - a que não haja sido objeto de publicação;
e) póstuma - a que se publique após a morte do autor;
f) originária - a criação primígena;
g) derivada - a que, constituindo criação intelectual nova, resulta da transformação de obra originária;
h) coletiva - a criada por iniciativa, organização e responsabilidade de uma pessoa física ou jurídica, que a publica sob seu nome ou marca e que é constituída pela participação de diferentes autores, cujas contribuições se fundem numa criação autônoma;
i) audiovisual - a que resulta da fixação de imagens com ou sem som, que tenha a finalidade de criar, por meio de sua reprodução, a impressão de movimento, independentemente dos processos de sua captação, do suporte usado inicial ou posteriormente para fixá-lo, bem como dos meios utilizados para sua veiculação;
IX - fonograma - toda fixação de sons de uma execução ou interpretação ou de outros sons, ou de uma representação de sons que não seja uma fixação incluída em uma obra audiovisual;
X - editor - a pessoa física ou jurídica à qual se atribui o direito exclusivo de reprodução da obra e o dever de divulgá-la, nos limites previstos no contrato de edição;
XI - produtor - a pessoa física ou jurídica que toma a iniciativa e tem a responsabilidade econômica da primeira fixação do fonograma ou da obra audiovisual, qualquer que seja a natureza do suporte utilizado;
XII - radiodifusão - a transmissão sem fio, inclusive por satélites, de sons ou imagens e sons ou das representações desses, para recepção ao público e a transmissão de sinais codificados, quando os meios de decodificação sejam oferecidos ao público pelo organismo de radiodifusão ou com seu consentimento;
XIII - artistas intérpretes ou executantes - todos os atores, cantores, músicos, bailarinos ou outras pessoas que representem um papel, cantem, recitem, declamem, interpretem ou executem em qualquer forma obras literárias ou artísticas ou expressões do folclore.
XIV - titular originário - o autor de obra intelectual, o intérprete, o executante, o produtor fonográfico e as empresas de radiodifusão. (Incluído pela Lei nº 12.853, de 2013)
Art. 6º Não serão de domínio da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios as obras por eles simplesmente subvencionadas.